Período de festas é oportunidade para empreender 

Período de festas é oportunidade para empreender 

9 de novembro de 2018

Nayane Reis: “Resolvi empreender para ficar perto da minha filha, que tem dois anos. Quero seguir empreendendo e expandir as criações. Mesmo se conseguir um emprego fixo, não vou deixar de lado o negócio”

Mais do que o fechamento de um ciclo, o Natal e o Ano Novo – tradicionais datas comemorativas que mobilizam o comércio em geral – podem ser a oportunidade para o chamado empreendedorismo de ocasião. Nichos como alimentação, decoração, comércio e turismo são opções para aproveitar a demanda sazonal, driblar o desemprego ou conseguir uma folga no orçamento. “É uma boa época para não só para as pessoas terem um ganho extra, mas para experimentarem empreender. Testarem o mercado, mas também se verem como empreendedor”, define o coordenador do Grupo de Pesquisa em Empreendedorismo da Universidade Federal de Goiás (UFG), Cândido Vieira.

Há quatro meses, a empreendedora Nayane Reis, 29 anos, resolveu transformar as habilidades como artesã em um meio para incrementar os rendimentos. Mas uma reviravolta na vida profissional transformou o que seria o “plano B” em primeira opção de renda. Sem trabalho fixo, apostou na criatividade para confeccionar guirlandas, tradicional enfeite natalino, aromatizantes e sabonetes. “Por causa do período de festas de fim de ano, já registrei um volume médio de aumento das vendas de 40%”, informa ela, que aproveita a experiência de oito anos no mercado de crédito para acompanhar de perto os números do negócio.

Antenada, ela adaptou os ornamentos dos produtos com temas natalinos e viu na troca de presentes que costuma ocorrer no fim do ano – como nas brincadeiras de amigo oculto – um nicho a explorar. “Resolvi empreender para ficar perto da minha filha, que tem dois anos. Criei uma página do Instagram (@luzartedeco), divulgo em grupos e em listas de transmissão no WhatsApp e anuncio em site de vendas. Vem dando certo”, comemora.

Nayane Reis apostou na criatividade para confeccionar guirlandas, tradicional enfeite natalino, aromatizantes e sabonetes. No período de festas de fim de ano, o volume médio de vendas aumentou 40%

Oportunidades

Além do nicho de decoração, outras áreas também representam oportunidade para empreender no final do ano. No ramo de alimentação, pratos típicos, como o panetone, abrem possibilidades para atuação, bem como a organização de festas para grupos de amigos, empresas e famílias.  “É um período de férias, de viagem. Com quem deixar o gato ou o cachorro? Temos exemplos de empreendedores que usam a própria casa para receber esses animais”, ilustra Cândido Vieira, que também é professor e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Administração da Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Ciências Econômicas (FACE) da UFG.

É importante, entretanto, escolher alguma área com a qual o empreendedor já tenha uma conexão. “É um investimento de ‘tiro curto’. Então, é necessário optar por algum setor que já tenha experiência. Não é só o saber fazer, mas algo com que já tenha alguma relação com fornecedores ou com as tecnologias necessárias”, aconselha.

Cândido Vieira: “É uma boa época para não só para as pessoas terem um ganho extra, mas para experimentarem empreender. Testarem o mercado, mas também se verem como empreendedor”

Futuro

Nayane pretende desenvolver o portfólio de produtos focados no universo materno.  Foi justamente por causa do nascimento da filha, há dois anos, que a empreendedora desenvolveu o gosto pelo artesanato. À época, a empreendedora criou todas as lembrancinhas e preparou o quarto da criança.  “Quero seguir empreendendo e expandir as criações. Mesmo se conseguir um emprego fixo, não vou deixar de lado (o negócio)”, adianta. Para o futuro, ela já colocou na agenda a meta de se qualificar – sobretudo para o desenvolvimento de ideias de produtos – sonha ainda com a abertura de uma loja física.

Histórias de quem “experimentou” empreender em um período festivo e se consolidou no mercado são comuns, como explica Cândido Vieira. O pesquisador, entretanto, indica cautela antes de acelerar o negócio. “É preciso olhar se, de fato, esse produto tem possibilidade de continuar sendo comercializado e crescendo, pois alguns são sazonais. Se o empreendedor conseguiu, de alguma forma, compreender a clientela e desenvolver produtos e serviços que atenderam determinado público, acho que o melhor é ir tateando o mercado”, ensina.

O portal Empreender em Goiás é uma iniciativa privada com a missão de incentivar a abertura e o crescimento de empresas. Contamos com os melhores parceiros para gerarmos notícias, análises, pesquisas, serviços e oportunidades de negócios.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não será publicado.