Ricardo e Thiago, na Like a Boss do Setor Bueno, a primeira unidade da empresa, que conta com 12 cadeiras de barbeiro

A Like a Boss Barbearia quer aproveitar vaidade masculina em alta para ampliar os seus negócios. Do espaço de entretenimento e cuidados com a beleza, a empresa dará início até julho à venda de produtos masculinos com grife própria em mini lojas express, próprias ou microfranquias.  A gama de produtos envolverá camisetas, camisas, pulseiras, relógios, óculos de sol, bonés, carteiras  e produtos de beleza.

A empresa, que hoje realiza mais de 10 mil atendimentos ao mês, em suas cinco unidades das quais três delas franqueadas, começou a ser planejada em 2014. Thiago Pessoa, que era gerente de agência do Banco HSBC há mais de dez anos, foi buscar a filmagem e as fotografias do seu casamento feitas por Ricardo Oliveira, dono do Estúdio Bis. Os dois conversaram a respeito de utilizar o espaço de 150 metros quadrados e pé direito duplo, para instalar uma barbearia e ponto de entretenimento, com mesa de sinuca, espaço de videogame e bar. Foram seis meses de conversa e elaboração do projeto arquitetônico, até que o negócio começasse a funcionar.

As conversas dos dois sócios levaram à instalação de uma barbearia que serviu de modelo para outros empreendimentos. O espaço ficou bem organizado, inicialmente com três cadeiras de barbeiro  – hoje são 12  na unidade do Setor Bueno, a pioneira. Foram usados itens de decoração que remetem ao gênero masculino. Até a cabine de uma Kombi serviu de base para instalar o caixa e hoje se tornou um dos símbolos da marca.

A unidade do Setor Bueno tem detalhes que remetem à rusticidade, como a pintura na cor preta e a iluminação diferenciada

Negócio

A inspiração para o negócio veio de uma visita que Thiago Pessoa fez a uma barbearia em Belém (PA), sua terra natal. O projeto de design interior foi criado pelo sócio Ricardo.  Thiago chegou a fazer um curso de cabeleireiro para ter noção técnica da atividade. Mas o forte dele é o controle financeiro, principalmente em função da sua formação prática na área econômica. “Estamos crescendo e buscando variar nossa participação no mercado da beleza e vaidade masculinas. Em quatro anos de existência já servimos de modelo para outras empresas do ramo, por isso a nossa preocupação constante em variar e inovar, para não sermos engolidos pelo mercado”, disse.

Ricardo Oliveira aproveita o seu talento para desenvolver as atividades das áreas de marketing, design e arquitetura interna das lojas. “A nossa ideia foi aproveitar o espaço da loja, que tem pé direito duplo, para fazer uma decoração que traga sensação de conforto. Utilizamos detalhes que remetem à rusticidade. A pintura na cor preta e a iluminação diferenciada garantem o bem estar para quem nos procura”, afirma. Este modelo adotado ganhou reconhecimento nacional, com a conquista, em 2017, do primeiro lugar no RDI (Retail Design Institute Brasil) da Associação Brasileira de Franchising.

Ricardo e Thiago em frente a cabine de uma Kombi, que serviu de base para instalar o caixa e hoje se tornou um dos símbolos da marca

Crescimento

Da ideia inicial até a elaboração do projeto de expansão da marca, foram várias etapas. Thiago Pessoa lembra que nas conversas sobre o projeto da primeira loja, a proposta era investir em torno de R$ 40 mil. Mas, para montar o espaço foram gastos cerca de R$ 200 mil. Da abertura da barbearia até a necessidade de expansão foram apenas três meses. “Tivemos que ampliar o número de barbeiros para cinco neste curto espaço de tempo, pois a procura estava grande e não poderíamos ficar dispensando clientes”, afirma.

Após seis meses de atividades, o espaço ao lado da barbearia foi alugado para a primeira ampliação. Com 300 metros quadrados, foram instaladas 12 cadeiras de barbeiros. Em dois anos, foi aberta a segunda loja em Goiânia, com investimento de R$ 250 mil, em uma sala de 180 metros quadrados, no Jardim Goiás.

Já em meados de 2015, a empresa deu início ao processo de franquias da marca, o que possibilitou a sua presença em Anápolis, Belém e Palmas (Tocantins). Hoje a rede tem 32 barbeiros e 30 funcionários.  “Temos uma preocupação grande com o processo de licenciamento da franquia, tanto que contratamos uma consultoria especializada no segmento. Para crescermos nesta modalidade definimos padrões de qualidade no atendimento e nas instalações físicas. A nossa marca já ficou muito valiosa”, afirma Ricardo Oliveira.

Para se ter uma ideia da preocupação com qualidade, os dois sócios investiram cerca de R$ 100 mil na formatação de um aplicativo, que pode ser utilizado nos sistemas Androide ou IOS, para o cliente marcar horário e escolher o barbeiro. Nas barbearias, os clientes contam com, além dos cortes de cabelos e de barba, serviços de estética, como sobrancelha, limpeza de pele, manicure, selagem, pigmentação e coloração.


Deixe seu comentário