Edminho começou a empreender aos 15 anos: sua paixão sempre foi veículos

O empresário goiano Edmo Mendonça Pinheiro, presidente do Grupo Pinauto, começou a empreender aos 15 anos de idade, quando montou uma garagem de veículos usados em Goiânia. Com apenas dois anos de atividade, aprendeu uma lição que leva até hoje consigo na administração dos seus negócios: sua revenda já possuía 40 veículos em estoque, quando o governo federal lançou o Plano Funaro, numa tentativa de estabilizar a economia brasileira. Foi um grande baque para as finanças da empresa.

“O problema maior é que, para formar o estoque, peguei dinheiro emprestado com meu pai, que me cobrava juros. Com o plano econômico, os veículos sofreram grande desvalorização. Dos 40 carros que eu tinha, se vendesse todos, pagava a metade”, afirma o empresário, hoje com 53 anos de idade, ao EMPREENDER EM GOIÁS. Seu pai Edmo Edmundo, então, disse: “Você não deu conta de uma canetada de ministro, mas ainda tem sorte, porque não deve para banco. Então, venda seu estoque e me paga.”

“Eu pensei na hora: vai sobrar o que para mim? Naquela época, de inflação alta, o lucro com este negócio era ganhar ao comprar por um preço e revender por outro bem maior. No final das contas, sobraria apenas um Voyage. Meu pai disse que ainda estava bom, porque eu continuaria com o mesmo capital com o que abri a empresa. Daria para começar de novo. Sai arrasado daquela conversa. Vendi todo o estoque, paguei meu pai e recomecei do zero”, afirma Edminho, como é mais conhecido.

O Grupo Pinauto completará 30 anos em março. Tem revendas da Fiat em Porangatu, Uruaçu, Ceres, Goianésia e São Luís de Montes Belos, além de um posto de venda em Iporá e da sede na capital goiana. Da marca Renault, tem uma concessionária em Ceres. Embora o mercado de veículos seja o seu principal negócio, o grupo atua também no setor de consórcios, na agropecuária e no setor imobiliário, com administração de imóveis e participação societária na construção e gestão de shoppings e em hotéis em Goiás e outros Estados.

A empresa goiana gera atualmente 216 empregos diretos e mais de 1 mil indiretos, entre terceirizados e parceiros.

Paixão de adolescente
A decisão de Edmo Pinheiro de entrar no mercado de veículos surgiu por sua paixão desde a adolescência por este universo, que mantém até hoje. Seu pai era empresário, tinha a representação da Tatuzinho (mais conhecida por Velho Barreiro) em Goiás, além de transportadora de cargas e agropecuária. “Mas meu negócio era veículos. Comecei com os meus próprios carros. Tinha um Passat TS, que troquei por um Opala Comodoro e não parei mais. Levantei um pequeno capital e peguei gosto”, frisa.

Alguns anos depois, capitalizado novamente, surgiu a oportunidade de montar a concessionária Pinauto. Tendo novamente seu pai e mais outros dois parentes como sócios, em quatro partes iguais, Pinheiro construiu prédio na Avenida T-9. “Esta oportunidade surgiu em 1986, quando a Fiat tinha apenas 7% do mercado, mas existiam apenas quatro marcas no Brasil (Fiat, Chevrolet, Volkswagen e Ford)”, ressalta Edminho.

“Para não quebrar é preciso tocar o negócio de forma muito enxuta”, afirma Edmo Pinheiro

Em março de 1988, o empresário inaugurou a primeira loja Pinauto, ainda sede do grupo empresarial. A sua cota (meta) na época era vender 30 veículos por ano. Foi muito além disto. Em 2002, Edmo Pinheiro se tornou dono de 100% da empresa e por conta da sua gestão na sua própria rede, além de sua facilidade de se comunicar, presidiu a Associação dos Concessionários Fiat no Brasil entre 2005 e 2008.

Em 2007, começou a fase de expansão da Pinauto, com o bom momento na economia e pela necessidade de ganhar escala para enfrentar a concorrência cada vez maior. “Chegamos a comercializar 1 mil carros por mês no auge do mercado, na primeira metade dos anos 2000, por conta da estabilidade da economia e da facilidade do crédito para o consumidor”, afirma Pinheiro.

De 2003 a 2017 a Pinauto comercializou 60 mil veículos no varejo, isto sem incluir as vendas diretas (mais 30 mil unidades neste período), com uma média de 350 carros por mês. Com a grave recessão na economia nos últimos três anos, esta média sofreu queda de até 40%.

Edmo Pinheiro afirma que o crescimento da empresa é decidida com muito planejamento. “Monitoramos até os indicadores de emplacamentos por cidade ou região para decidir em qual praça investir. Sempre com uma estrutura muito enxuta”, enfatiza. “É impressionante o ciclo da economia brasileira. Historicamente, temos cinco anos de expansão e cinco anos de retração. Para não quebrar, porque as margens (de lucro) são cada vez menores, é preciso tocar o negócio de forma muito enxuta. O Grupo Pinauto poderia ser bem maior, mas prefiro crescer com os pés no chão. Isto por conta da lição que aprendi com meu pai quando ainda adolescente: quase quebrei com uma canetada de ministro. Tenho pavor disto”, afirma.


Deixe seu comentário

5 comments

  1. Waterloo Ferreira Salazar Responder

    Histórico passado e atual digno de muitos aplausos , merecimento de chegar ao topo do equilíbrio e sucesso que hão de vir seguramente nos próximos anos.Tenho orgulho de fazer parte do Grupo Pinauto à 7 anos uma empresa correta em seus negócios.

  2. Rogério Caetano Responder

    Excelente patrão! Grande amigo!
    Sempre pronto a ouvir e orientar…
    Muito inteligente e perspicaz!
    Em 14 anos de grupo Pinauto só tenho elogios e gratidão.
    Já a cinco anos fora até Hoje Pinauto ainda é sobrenome…rsrs
    Rogério da Pinauto!

  3. Celso A. Menegaz Responder

    Parabéns Edminho, grande lição de empreendedorismo. O sucesso nao veio por acaso e sim com muito trabalho. Um forte abraco

  4. Fernando Mendes Responder

    Pobre ele não nasceu e numca foi sr edmo pai um grande empresário goiano de sucesso donos de uma das empresas que mais cresceu no Brasil no seguimento de refrigerante uma família de garra e muito sucesso parabéns ediminho seu pai deixou um grande legado sr edmo Pinheiro belarminio pinheiro paulo marcal Alencar Amaral muniz uns dos empresários goianos inesquecível parabéns e onde estiver estão muitos feliz das sementes que semearam no chão de Goiás

  5. Fernando Mendes Responder

    Uma família de grande empresários como pai eo tios sr belarminio Pinheiro pai edmo Pinheiro Alencar Amaral muniz Paulo marcal um dos maiores empresasarios no ramo de refrigerante sameou muitas sementes de amor e honestidade nesse chão de Goiás onde estiver que Deus os tenham estão orgulhosos de seus filhos que aki ficaram para honrar aos seus pais parabéns à família Pinheiro