Depois de registrar crescimento de 7,7% nas vendas em 2017, após quatro anos seguidos de queda, os revendedores de veículos em Goiás projetam nova alta para este ano, de mais de 10%. A previsão é atingir 70 mil automóveis e comerciais leves novos, sem incluir caminhões e ônibus, ante os 62.508 no ano passado. Outro número positivo do setor em Goiás foi o crescimento de 19,5% nas vendas de caminhões e ônibus em 2017.

Para a presidente do Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos Automotores de Goiás (Sincodive-GO), Shirley Leal, a razão de tanto otimismo está na queda da inflação, que possibilitou a redução das taxas de juros, na maior oferta de crédito, com menores exigências na concessão, e nos lançamentos de novos veículos.

“Isto tudo sustentado pela expectativa de alta de 3% do Produto Interno Bruto (PIB), com a queda do desemprego e o aumento da confiança dos consumidores”, frisa a empresária ao EMPREENDER EM GOIÁS.

Shirley Leal também considerou o crescimento de 7,7% nas vendas no ano passado uma agradável surpresa. “Em função da crise econômica e diante das dificuldades enfrentadas pelo setor, esperávamos aumento de no máximo 5%”, afirma. Ainda assim, os números estão longe do recorde atingido em 2012, quando foram vendidos 129,1 mil automóveis e comerciais leves no Estado.

Já as vendas de motocicletas continuam em forte queda, caindo de 65.454 unidades em 2012 para 29.293, no ano passado. As principais causas desta redução são a falta de crédito, exigências para liberar financiamento e elevada taxa de desemprego, além do alto valor do emplacamento e do registro do contrato em Goiás.

Shirley Leal, presidente do Sincodive-GO

Brasil
A Fenabrave, associação que representa as concessionárias de veículos no Brasil, informou que as vendas de veículos cresceram 9,23% no País em 2017. Ao todo, foram comercializados 2.239.403 automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. Número é bem maior que as 2.050.240 unidades vendidas em 2016. A melhora do mercado teve importante ajuda das chamadas vendas diretas, aquelas feitas com preços especiais para locadoras, frotistas, taxistas, pessoas com deficiência e produtores rurais Essa categoria somou 868,6 mil unidades, alta de 27,9% em relação a 2016.

A entidade espera crescimento de 11,8% nas vendas em 2018, para 2,5 milhões de unidades. Na projeção para os chamados veículos leves, que somam os automóveis e comerciais leves e representam mais de 90% do mercado total, a Fenabrave estima expansão de 11,9%, para 2,43 milhões de unidades. No caso dos caminhões, a expectativa é de avanço de 9,5%, para 57 mil unidades. Entre os ônibus, a previsão da Fenabrave é de expansão de 5,4%, para 15,9 mil unidades.

Ranking
A General Motors foi a líder em vendas de automóveis e comerciais leves no País pelo segundo ano seguido. A marca vendeu 394 mil unidades, 13,9% a mais que em 2016. Entre as dez maiores fabricantes, somente a Fiat registrou queda nas vendas, de 4,5% mas, ainda assim, manteve-se em segundo lugar no ranking de vendas. A Volkswagen ficou em terceiro lugar.

O Onix também manteve a liderança entre os automóveis mais vendidos (188,6 mil unidades), seguido por HB20 (105,5 mil), Ka (94,9 mil), Gol (73,9 mil) e Prisma (69 mil).

Está matéria foi complementada com informações de agências de notícias


Deixe seu comentário