As vendas do comércio varejista goiano caíram 8,4% em março quando comparadas com o mesmo mês de 2019, registrando o pior resultado desde fevereiro de 2018 (-12,1%), de acordo com pesquisa divulgada hoje (13/05) pelo IBGE. Convém ressaltar que as medidas de isolamento social e de restrições ao funcionamento das atividades econômicas em Goiás adotadas pelo governo estadual começaram a vigorar na segunda quinzena de março. Ainda assim, o desempenho do comércio em março só não foi pior por causa da alta nas vendas de supermercados e farmácias, consideradas atividades essenciais. Se comparadas com fevereiro de 2020, a queda foi de 6,1%, com o terceiro pior resultado da série histórica e o pior desde março de 2017 (-11,7%).

A redução das vendas em março foi puxada por seis das dez atividades pesquisadas: tecidos, vestuário e calçados (-49,8%), sendo o pior resultado desde o início da série histórica; outros artigos de uso pessoal e doméstico (-23,9%), que teve o pior resultado desde abril de 2005 (-24,0%); e livros, jornais, revistas e papelaria (-21,7%).

Já com relação aos setores que registraram avanço, destaca-se o de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo que cresceu 5,6%, com alta após cinco meses de quedas consecutivas, sendo que os super e hipermercados apresentaram avanço de 6,3%. Seguido pelo setor de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (3,7%), que registra o terceiro aumento consecutivo. O setor de veículos e motos, partes e peças registrou aumento de 2,4% em março.

Já o comércio varejista ampliado goiano (que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção) registrou recuo de 6,3% em março, quando comparado com fevereiro deste ano, sendo o pior resultado dos últimos 25 meses. No País, o volume de vendas do varejo ampliado recuou 13,7%, na mesma base de comparação, sendo o pior resultado da série histórica. Já quando comparado com março 2019, o volume de vendas do comércio varejista goiano ampliado apresentou recuo de 4,8%, enquanto em nível nacional o recuo foi de 6,3% na mesma base de comparação.

O volume de vendas do varejo goiano acumula em 2020 retração de 2%, apresentando queda quando comparado com 2019, enquanto o nacional acumula crescimento de 1,6% na mesma base de comparação. As vendas do comércio varejista no Brasil caíram 2,5% em março ante fevereiro, na série com ajuste sazonal. N As vendas do varejo restrito acumularam crescimento de 1,6% no ano e alta de 2,1% em 12 meses.


Deixe seu comentário