Total de impostos que os goianos pagaram em 2019, registrado pelo Impostômetro

Os contribuintes em Goiás pagaram R$ 53,5 bilhões em impostos em 2019, de acordo com o Impostômetro, da Associação Comercial de São Paulo, que informa, em tempo real, os valores que todos recolhem em impostos, taxas, contribuições e multas para os cofres públicos. O valor é recorde e representa aumento de 9% em relação ao registrado em 2018, que foi de R$ 49,1 bilhões.

Os impostos recolhidos em Goiás representam 1,97% do total da arrecadação do Brasil.
No ano passado, os brasileiros recolheram R$ 2,5 trilhões em impostos federais, estaduais e municipais aos cofres públicos, 4,69% a mais de impostos aos cofres públicos do que pagaram em 2018, quando o fisco ficou com R$ 2,388 trilhões.

Marcel Solimeo, economista da ACSP, classifica como recorde o valor retirado dos bolsos dos contribuintes. Trata-se, de acordo com ele, de uma marca expressiva e resultante de uma carga tributária elevada para o País, se comparada à renda do brasileiro. “Pagamos impostos até dormindo, porque ao deixarmos a geladeira , ela está consumindo energia, e pagamos mais de 40% de imposto na energia elétrica”, afirma o economista.

Para ele, a carga tributaria nos próximos anos deva permanecer alta. Possivelmente, argumenta, o único fator que pode colaborar com a diminuição dos tributos é o controle nos gastos. “Caso não haja esse esforço, o Brasil continuará tendo impostos elevados. O pior é que nada disso retorna à população”, critica Marcel Solimeo.

O que fazer

Com os R$ 2,5 trilhões que o brasileiro pagou de impostos em 2019, afirmam os economistas da ACSP, uma pessoa poderia receber 50 salários mínimos por mês durante 4,5 milhões de anos. Renderiam, se aplicados em caderneta de poupança, juros de R$ 20,2 milhões por hora e R$ 336,8 mil por minuto.

Compraria 7 milhões de unidades do carro BMW M2 e 5,8 bilhões de cestas básicas. Finalmente, para transportar esse dinheiro em notas de R$ 100,00, seriam necessários 826 contêineres de 20 pés ou 6,096 metros.

Instalado há 13 anos pela Associação Comercial de São Paulo na Rua Boa Vista, no Centro velho da capital paulista, o Impostômetro foi a forma que a Associação Comercial de São Paulo encontrou para “alertar e conscientizar a população para o fato de que ela arca com tudo isso e, em contrapartida, não vê o dinheiro bem aplicado em saúde, segurança, educação.


Deixe seu comentário