A indústria foi o segmento com maior redução no número de trabalhadores em Goiás no ano passado: havia 417 mil pessoas ocupadas no segmento industrial, o que representava 12,5% de todos os trabalhadores com carteira assinada no Estado. É um quantitativo 13,4% menor que o número de ocupados em 2012, quando havia 481 mil trabalhadores nas indústrias, que na época representavam 15,7% dos trabalhadores goianos. Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) foram divulgados hoje (18/12) pelo IBGE.

O grupamento de trabalhadores que mais aumentou em Goiás no ano passado foi o de servidores públicos (segurança pública, seguridade social, educação, saúde e serviços sociais). Em 2018, havia 566 mil trabalhadores (16,9% dos ocupados goianos), enquanto em 2012 eram 463 mil (15,1% dos ocupados em Goiás). Ou seja: houve aumento de 22,3%.

O número de pessoas ocupadas em empresas de Goiás que tinham de 1 a 5 pessoas em 2018 foi 1,373 milhão, 25,6 mil a menos do que no ano anterior (1,399 milhão), mas 180 mil a mais do que o verificado no início da série histórica (1,192 milhão), em 2012. A quantidade de pessoas que trabalham em empresas que tinham 51 ou mais funcionários também aumentou ao longo da série história. Em 2018, foram estimados em 652 mil, 39,2 mil a mais do que no ano anterior (613 mil) e 54,7 mil a mais do que em 2012 (597 mil).

Em cada cinco trabalhadores por conta própria em Goiás, quatro não possuem CNPJ. Em 2018, o número de trabalhadores por conta própria era 841 mil, sendo que 678 mil, ou seja, 80,7% do total, estavam ocupados em um empreendimento que não possuía registro do CNPJ. Entre 2017 e 2018 houve um aumento de 45 mil trabalhadores nessa condição. Quando observado o período entre 2012 e 2018, o aumento foi de 117 mil pessoas.

A quantidade de trabalhadores por conta própria com o registro de CNPJ no período também teve aumento. Eles eram 163 mil em 2018, cerca de 10 mil a mais do que em 2017 (153 mil) e 44 mil a mais do que os trabalhadores de 2012 (118 mil). A quantidade de empregadores com CNPJ em 2018, em Goiás, foi estimada em 138 mil pessoas, cerca de 24 mil a menos do que a quantidade estimada em 2017 (162 mil pessoas) e cerca de 26 mil pessoas a mais do que a quantidade estimada em 2012 (111 mil pessoas). Já os empregadores sem CNPJ tiveram aumento de 34 mil em 2017 para 46 mil em 2018.

Participação das pessoas com pouca instrução no mercado de trabalho diminui 10,3% em 6 anos. Desde 2013 as pessoas sem instrução ou com fundamental incompleto vêm tendo menor participação no mercado de trabalho. Em 2018, em Goiás, havia 918 mil ocupados nessa condição, o que representava 27,5% dos 3.339 mil ocupados em Goiás, enquanto que em 2012, o número era 1.022 mil (33,3%), ou seja, houve uma diminuição de 10,1% da quantidade do início da série histórica.

Em contrapartida os ocupados que tinham superior completo e os que tinham ensino médio completo ou superior incompleto vêm tendo maior participação. A quantidade de pessoas com ensino médio completo ou superior incompleto e estavam ocupadas em 2018 em Goiás foi 1.265 mil (37,9%) e das que tinham ensino superior completo foi de 600 mil (18,0%). Os ocupados que tinham ensino fundamental completo ou médio incompleto em 2018 foi 557 mil (16,7%).


Deixe seu comentário