Emanoel Camargo: , Aparecida é uma das poucas cidades preparadas para receber o tráfego de grandes veículos

A Global Park e mais seis investidores lançam neste sábado (07/12) um condomínio com foco em empresas de logística e de distribuição, em área total de 900 mil metros quadrados, dividida em 105 lotes com metragens que variam de 2,8 mil m² a 60 mil m². O empreendimento está localizado na Região Leste do município, próximo à BR-153, ao anel viário e aos polos industriais de Aparecida, Daiag e Dimag.

O condomínio empresarial terá tecnologia de fibra ótica, além de completa infraestrutura urbana com água, esgoto, galeria pluvial e rede de energia, e ainda uma área verde destinada a preservação embrenhar de 365 mil m². Terá ainda ruas largas e asfalto ideal para manobras e rodagem de grandes veículos de carga como caminhões-cegonha, bitrens ou treminhões.

De acordo com o empresário Emanoel Camargo, um dos empreendedores do Global Park, além de sua localização geográfica única, Aparecida é uma das poucas cidades no País preparadas para receber o tráfego de grandes veículos de carga vindos de várias partes do Brasil. “Por exemplo, para veículos grandes como bitrens chegarem a cidades como Trindade, passando por rodovias menores é muito difícil, imagine então transportar uma carga enorme para cidades do interior da Bahia, do Maranhão ou Pará. Então as empresas têm um ponto estratégico de distribuição e escoamento de seus produtos e as cargas são fracionadas” explica Emanoel.

Camargo é fundador da MultiplaLog, uma das empresas investidoras do empreendimento e que tem mais de 400 mil m² de áreas construídas no sistema built to suit, que é construir para alugar. “Como somos uma empresa goiana especializada na construção de armazéns e grandes galpões, percebemos uma grande procura, por parte de empresas vindas de fora, querendo se instalar em Aparecida justamente por causa desta localização geográfica privilegiada da cidade. Devido a falta de áreas preparadas para receber essas empresas, resolvemos apostar num pólo logístico e de distribuição em Aparecida”, diz.

“Nesse empreendimento, diferente do que ocorre nos pólos empresariais ou industriais públicos, onde o lote é cedido em regime de comodato então sem escritura, o empresário é dono, e isso facilita porque a empresa irá investir num patrimônio seu, que poderá ser vendido, ou que pode ser usado para conseguir financiamento para expansão”, afirma o empresário.

O prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha, se comprometeu em enviar para a Câmara municipal projeto de lei para dar maior velocidade aos processos de liberação de licenças e redução de taxas para as empresas que investirem no polo de distribuição e de logística do município. “Aparecida é a cidade da vez e queremos prospectar grandes investimentos, atrair empresas para o nosso município e com isso gerar novas oportunidades de emprego e fortalecimento da nossa economia”, afirmou.


Deixe seu comentário