“Nosso objetivo é dobrar o tamanho da marca a cada três anos”, diz Guilherme Carvalho

Com 40 unidades franqueadas em oito municípios goianos, além de Palmas (TO) e Brasília (DF), o QG Jeitinho Caseiro deu início neste ano ao seu projeto de expansão através de um novo formato do ponto de venda: os quiosques, que demandam investimentos da ordem de R$ 150 mil. A meta para o ano que vem é a abertura de 20 novas unidades, com negociações praticamente concluídas, afirma o presidente do Grupo QG, Guilherme Carvalho.

A marca comercializa sanduíches e refeições com carnes grelhadas, e ganhou visibilidade ao longo dos anos pela venda de pastéis. Além dos quiosques, o grupo coloca agora à disposição dos futuros franqueados um carrinho para venda de pastel (R$ 60 mil). “Para a montagem de uma loja completa, estamos falando de algo próximo a R$ 400 mil. Ou seja, estamos trabalhando modelos de negócio diferentes para aumentar a capilaridade da marca e seu potencial de expansão”, explica Guilherme. O QG Jeitinho Caseiro é segunda empresa na série do EMPREENDER GOIÁS sobre franquias goianas de sucesso.

A empresa pretende chegar a partir de agora, por meio dos quiosques, em cidades que antes não dariam o retorno necessário com uma loja completa. “Nosso foco é investir em regiões em que já atuamos, como Goiás, Tocantins e Distrito Federal, embora tenhamos algumas conversas adiantadas com representantes de Minas Gerais e São Paulo”, explica o presidente da rede. Em Goiás, municípios como Inhumas, Goiatuba, Itumbiara e Morrinhos receberão os novos pontos de venda no ano que vem.

Estrutura
Os quiosques terão um mix de produtos compacto, com pastéis, salgados e sorvete de máquina. “Nosso objetivo é dobrar o tamanho da marca a cada três anos. Ou daqui dez anos ter 500 unidades franqueadas”, diz Guilherme. Ele não abre dados relativos ao faturamento do Grupo QG, e estima que a taxa de crescimento tem ficado entre 20 e 30% ao ano. “Ao longo de 2019 nos empenhamos em organizar um time de ponta porque queremos crescer mais e em ritmo mais acelerado”, revela o presidente, formado em Publicidade e Propaganda com MBA em Franquias e também em Marketing com ênfase em Operações Comerciais.

Guilherme assumiu o comando do grupo em 2015. Os sócios-fundadores, seus pais, Paulo Roberto de Carvalho e Maria Cristina Craveiro, não ocupam hoje cargos formais na empresa, “mas estão presentes”, diz ele. Seu irmão, Pedro Paulo, é o responsável por cuidar de demandas das áreas administrativa-jurídica. “Trouxe ótimos profissionais da iniciativa privada para trabalhar aqui. Na estrutura hierárquica, depois do presidente, são sete gestores e uma gerente executiva, a quem eles se reportam”, explica.

Com 600 colaboradores, o QG Jeitinho Caseiro recebeu por cinco vezes consecutivas o Selo de Excelência em Franchising, concedido pela Associação Brasileira de Franchising (ABF). Em 2018 foi considerada a 6ª Melhor Franquia no ramo de alimentação do País pela revista Pequenas Empresas, Grandes Negócios. Guilherme Carvalho garante que os temperos de todos os pratos servidos na rede são feitos com ingredientes frescos produzidos em Goiânia. “Esse é o nosso diferencial, e é o que caracteriza uma comida caseira de verdade”.

A rede de alimentação goiana tem hoje 40 franqueados no País

Trajetória
A empresa está no mercado desde 1979, quando chamava-se “Quitandinha Goiana”. Dois anos depois, em 1981, abriram uma loja naquele que era o primeiro shopping da Capital e tornou-se QG Pastéis. Os pais de Guilherme levaram para o grande centro de compras um produto que antes era comercializado apenas em bares e feiras livres e, então, entraram em curva ascendente de crescimento.

Em 2000, após tantos clientes demandarem refeições “rápidas e caseiras”, resolveram diversificar o cardápio. Deu certo. E dez anos depois, os esforços do Grupo QG foram então direcionados à abertura de franquias. Em 2010 foi inaugurada a primeira unidade franqueada fora de Goiânia, sediada em Anápolis.

“Tudo foi feito com base em pesquisas e estudos. Quando chegamos à etapa das franquias, já tínhamos percorrido todo um caminho de muito profissionalismo e dedicação”, conta Guilherme Carvalho. “Nas praças de alimentação há poucas opções – ou em alguns locais nenhuma –para comer como as que oferecemos. Nós garantimos o frescor e sabor dos alimentos”.


Deixe seu comentário