A produção industrial subiu 0,3% em setembro ante agosto, na série com ajuste sazonal, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação a setembro de 2018, a produção subiu 1,1%. No ano de 2019, a indústria teve queda de 1,4%, o mesmo porcentual de recuo no acumulado em 12 meses.

A alta de 0,3% foi decorrente de avanços na produção em apenas 11 das 26 atividades pesquisadas. O crescimento de 4,3% na fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias puxou a alta na indústria em setembro ante agosto, após um recuo de 2,4% na atividade no mês anterior.

O crescimento de 4,3% na fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias puxou a alta da produção industrial em setembro

“O comportamento dessa produção, especialmente dos automóveis, tem se mostrado ao longo do ano de 2019 muito volátil, ate porque a gente perde o canal de exportações para a Argentina”, lembrou André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE.

Outras contribuições positivas relevantes para o total da indústria em setembro foram de confecção de artigos do vestuário e acessórios (6,6%), bebidas (3,5%), produtos de metal (3,7%), móveis (9,4%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (3,0%) e produtos de borracha e de material plástico (1,4%).

Setor de confecções de artigos do vestuário e acessórios também ajudou no desempenho positivo do setor industrial

Na direção oposta, entre os 14 ramos que reduziram a produção, os destaques foram impressão e reprodução de gravações (-28,6%), indústrias extrativas (-1,2%), máquinas e equipamentos (-2,8%), produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-4,6%), coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-0,8%) e produtos do fumo (-7,7%).

Faturamento

O faturamento da indústria cresceu pelo quarto mês consecutivo em setembro. De acordo com os Indicadores Industriais divulgados sexta-feira (1º/11), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), as vendas do setor cresceram 0,4% em relação a agosto, já considerando o dado dessazonalizado. “Desde 2014 o faturamento não registrava quatro meses consecutivos de alta. O faturamento acumula crescimento de 2,1% no período”, destacou a CNI.

Na comparação com setembro do ano passado, entretanto, o resultado do mês passado ainda apresentou um recuo de 0,3%. Nos nove primeiros meses de 2019, a queda é de 1,7% em relação ao mesmo período de 2019.

O documento mostra ainda que as horas trabalhadas na produção caíram 0,2% em relação a agosto, mas ainda ficaram 0,5% acima do verificado em setembro de 2018. No acumulado do ano, a queda é de 0,2%. Com isso, a utilização da capacidade instalada na indústria ficou estagnada em 78% nos últimos dois meses, ante 77,5% de setembro do ano passado.

“Após dados mais favoráveis em agosto, metade dos índices levantados manteve-se estável na passagem de agosto para setembro, após os ajustes sazonais. Esses resultados revelam o ainda baixo dinamismo do setor”, completou a CNI.


Deixe seu comentário