“Os brasileiros estão adquirindo bens com mais consciência”, diz Marcos Caseiro

Com mais de 50 anos no mercado goiano, com sede em Aparecida de Goiânia, o Consórcio Govesa busca atuação nacional. Depois de investir na simplificação e modernização de seus processos, a empresa ganhou nova sede e uma nova identidade visual. O atendimento também foi aprimorado e está recebendo ferramentas que permitam um serviço mais ágil e customizado. Toda a equipe passa por treinamento e cursos periódicos de reciclagem e aperfeiçoamento.

“Hoje, o Consórcio Nacional Govesa tem uma política de crédito simplificada para atender com mais qualidade e transparência”, explica o sócio-diretor, Marcos Paulo Caseiro. Nos próximos dias, a empresa disponibilizará um novo produto, o consórcio de imóvel em 200 meses com parcelas lineares e taxas de administração atrativas. Também fará a atualização da plataforma de atendimento online, com layout novo, mais simples e direto.

Pelo nono mês consecutivo, o sistema de consórcios fechou com novo recorde de vendas, atingindo 2,11 milhões de novas cotas. De acordo com a Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC), de janeiro a setembro deste ano, registrou-se alta de 12,2% sobre o mesmo período do ano passado. O ticket médio das cotas vendidos no mês de setembro é de R$ 49,1 mil.

O Consórcio Govesa viu seu ticket médio chegar a R$ 115 mil nas vendas realizadas durante os últimos 14 meses. Entre setembro de 2018 e agosto de 2019, o número acumulado de cotas ativas contempladas da empresa goiana cresceu 12,5%. No mesmo período, o número de cotas contempladas com crédito pendente de utilização aumentou 22,6%, o que demonstra que o mercado está cada vez mais utilizando o consórcio como ferramenta de planejamento financeiro.

“Atualmente, um a cada sete consorciados contemplados ainda não utilizou o seu crédito. Este dado é interessante porque significa que os brasileiros estão adquirindo bens com mais consciência. Hoje, temos muitos consorciados contemplados que ainda não utilizaram seus créditos porque planejam adquirir um bem – um carro ou uma casa – no futuro. Isso se chama planejamento”, afirma Marcos Paulo Caseiro.

No Brasil
De janeiro a agosto deste ano, os dados da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcio (ABAC) apontam uma marca histórica de 1,88 milhão de novas cotas adquiridas em todo o Brasil. Das novas adesões, o segmento de automóveis lidera o ranking, com 825,3 mil novos consorciados, seguido pelo segmento de motocicletas (713,3 mil) e de veículos pesados (59,3 mil). Em todo o País, os créditos concedidos aos contemplados, entre janeiro e setembro deste ano, somaram R$ 31,1 bilhões, 2,84% superior aos dados do ano passado. O acumulado de contemplações chegou a quase um milhão, batendo na casa de R$ 908,77 mil.

Para Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da ABAC, o crescimento das adesões ao mecanismo, que ultrapassaram 2 milhões, resulta da ampliação e da consolidação de maior conhecimento da essência da educação financeira dos consumidores, por meio de um comportamento cada vez mais consciente sobre planejamento de suas finanças pessoais, quando pretendem adquirir bens ou contratar serviços. “O consórcio não apenas viabiliza o objetivo desejado, mas proporciona também economia com custos finais mais adequados e possibilidade de pagamento de parcelas dentro dos orçamentos, em virtude de prazos mais longos”, diz.


Deixe seu comentário