Renata e Fernando comemoram aniversário da filha Júlia no Dancing Bus

A ideia de inovar no ramo de festas em Goiânia veio depois que duas filhas de um amigo – e agora sócio – comentaram ter comemorado aniversário de uma colega dentro de um ônibus. Os empresários Fernando Alves e Renata Caruzo estavam de férias no Rio de Janeiro (RJ) e, imediatamente, começaram a fazer pesquisas na internet. Localizaram a empresa citada pelas meninas e foram se inteirar melhor do negócio. Dez dias depois já estavam na capital goiana com um ônibus que compraram em Belo Horizonte (MG).

“Voltei de carro para Goiânia com minhas filhas e o Fernando veio no ônibus com um motorista. Depois mandamos o veículo para Rialma (175 quilômetros da capital), onde foi feita toda a adaptação necessária para que em seu interior pudesse ser realizada uma festa para até 40 convidados”, conta Renata. Hoje, ela e o marido são proprietários da Dancing Bus, uma empresa que há três anos e meio promove festas dentro do ônibus, com investimento inicial de US$ 70 mil.

Foram necessários cinco meses para a reforma, incluindo retirada das poltronas, troca do assoalho e instalação de iluminação especial, bancos e insulfilme, entre outros acessórios. “Do lado de fora não se vê o interior do veículo e vice-versa. Queríamos que o ambiente fosse literalmente como uma boate, fechado”, diz ela. “Também tivemos um bom tempo de espera junto à prefeitura para obtermos uma licença especial que nos permitisse trafegar pela cidade”, conta. O ônibus, geralmente, circula em velocidade média de 30 km/h.

Aluguel
Por R$ 900,00 a hora – com locação mínima de duas horas -, é possível alugar o ônibus e usufruir dos serviços de motorista, DJ e copeira, além de itens de consumo como refrigerante, água, suco, gelo e salgadinhos. Quem estiver promovendo a festa tem liberdade para levar outros produtos, como bebida alcóolicas, no caso de eventos para adultos. É importante que a reserva seja feita com antecedência – são cerca de 15 festas por mês, em média.

O ônibus já foi locado para festas de empresas, despedidas de solteiro, chás de lingerie e festas infantis. “Fomos surpreendidos porque imaginávamos que nosso público alvo seria em sua maioria adultos. Mas não. Hoje a maioria são crianças que querem comemorar seus aniversários de um jeito diferente”, revela. “Em média, 70% dos pacotes que comercializamos em um mês são para os pequenos”, estima a empresária.

“Desconheço qualquer outra empresa semelhante em Goiânia”, conta Renata. Ela e o marido, Fernando, têm uma sócia, Adriana Veiga, mulher do ex-diretor da Petrobras no Rio de Janeiro, Moacyr Ribeiro Bastos. Foi este casal que hospedou os atuais donos da Dancing Bus em terras cariocas quando a ideia de comprar o ônibus começou a ser gestada.

Renata trabalha full time na empresa. O marido tem outras atividades. “Procurava algo que me permitisse certa flexibilidade de horários para dedicar um tempo às minhas filhas (Júlia e Fernanda têm, respectivamente, 3 e 6 anos)”. Por meio de inserções na mídia e apostando na propaganda “boca a boca”, a empresária diz afirma que o negócio está se consolidando e que a médio prazo já é possível pensar na aquisição de um segundo ônibus. “Um passo de cada vez”, frisa.


Deixe seu comentário