Vice-governador assina convênio entre Estado, Sebrae e Juceg para capacitar pequenos empresários goianos

Todos os pequenos e microempresários que registrarem suas empresas na Junta Comercial do Estado de Goiás (Juceg) serão, a partir de agora, apresentados às ferramentas de capacitação oferecidas pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). A parceria entre o governo do Estado e a entidade foi assinada e prevê ações para empreendimentos abertos há mais de um ano.

Para as empresas novatas, será fornecido o chamado Kit Boas Vindas. Nele, o empreendedor será informado pela Juceg de todos os cursos de capacitação online oferecidos pelo Sebrae. O foco principal será nos temas de gestão empresarial para quem está iniciando um negócio. Será reforçado que o Sebrae estará à disposição para capacitações individuais e consultorias, por meio de agendamento eletrônico.

A outra ferramenta, a ser apresentada para empresas com mais de um ano de abertura, é o Raio X Sebrae. Por meio de um sistema 100% online o empreendedor poderá realizar um diagnóstico da empresa, identificando quais são suas principais necessidades, com a possibilidade de traçar ações conjuntas de aperfeiçoamento.

De acordo com o diretor-superintendente do Sebrae-GO, Derly Cunha Fialho, a taxa de mortalidade das empresas é alta porque, muitas vezes, falta qualificação e propósito aos empreendedores. “Quem abre uma empresa exclusivamente para ganhar dinheiro, vai dar errado. Dará certo o que empreender para suprir uma necessidade”, disse.

Fialho ressaltou a importância dos dados disponíveis na Juceg. “Sempre acreditei que guardar dados apenas para fins de registro é um desperdício”, afirmou. Nesse contexto, segundo o diretor-superintendente do Sebrae, é salutar. “Não há como pensar que o setor público, o setor privado e o terceiro setor não caminhem juntos”. De acordo com Fialho, o governo e o Sebrae não podem pretender que o empresário faça tudo sozinho. “Quem faz é o empreendedor. Com ajuda do setor público e do Sebrae, é ele quem vai tirar o País da atual situação [econômica]”.

Durante o evento para assinatura da parceria, realizado no Palácio Pedro Ludovico Teixeira nesta terça-feira (21/10), o presidente da Juceg, Euclides Barbo, lembrou que o Brasil tem hoje aproximadamente 13 milhões de desempregados. Nesse cenário, as micro e pequenas empresas ganham ainda mais relevância. “Foram abertas mais de 18 mil empresas em Goiás este ano, uma alta de 14% em relação ao ano passado. Desse total, 95% são micro e pequenas”, disse.

Barbo ressaltou que muitos desses empresários não são empreendedores natos, por isso precisam ser capacitados para evitar a morte prematura. “O compromisso social na Juceg não termina no registro. Ela tem de fornecer meios para que ela se consolide, cresça e gere emprego e renda”, afirmou. Para ele, entender a dificuldade do empresário no início de sua caminhada pode transformar seu futuro como empreendedor de forma decisiva.

Representando o governador Ronaldo Caiado, o vice-governador Lincoln Tejota afirmou que o Estado tem de deixar de ser um peso para o contribuinte. “O setor produtivo tem feito o dever de casa. A administração pública é que tem deixado a desejar. Temos de mudar esse Estado pesado. Por isso, parcerias assim têm de ser ampliadas”, disse.


Deixe seu comentário