Daniela Mendonça, na sede da LG lugar de gente: “Antigamente, RH era só folha de pagamento. Hoje abrange folha, medicina do trabalho, e-social, gestão de desempenho…”

Líder brasileira em soluções de tecnologia para Recursos Humanos, a goiana LG lugar de gente tem uma meta para o futuro próximo: dobrar de tamanho em cinco anos. Um objetivo ousado para uma empresa que atualmente atende 1,1 mil clientes diretos e indiretos, o que significa gestão da folha de pagamento de 1,5 milhão de funcionários de companhias do porte de Ambev, Riachuelo, C&A, Ricardo Eletro, Arroz Cristal, Teuto, Creme Mel e tantas outras.

A projeção é de um crescimento de 20% ainda para 2019, segundo a presidente Daniela Mendonça. Para tanto, conta com produtos conectados com o que há de mais atual para a gestão de Recursos Humanos. O último lançamento, a LiGia, plataforma de Inteligência Artificial que usa algoritmos de machine learning para automatizar toda a trajetória dos colaboradores de uma empresa, desde o processo de seleção.

A LiGia foi lançada no maior evento voltado à área de Recursos Humanos do mundo, o Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas (CONARH) 2019, em São Paulo. A suíte conecta diferentes recursos, como chatbots, machine learning, entrevista por competência e gamificação, entre outras. Na prática, essa funcionalidade economiza tempo e recursos do RH e das áreas contratantes com uma experiência muito mais atrativa para o candidato e uma objetividade na seleção do perfil ideal para a função.

Nas nuvens
A LiGia, contudo, é apenas a mais nova solução de uma empresa que não para de inovar. Ou, segundo as palavras da presidente Daniela Mendonça, “uma empresa que está à frente por causa de seu pioneirismo”. Nos últimos anos, os investimentos alcançaram a cifra de R$ 30 milhões em inovação. “De tempos em tempos, ocorrem rupturas no mercado. Por isso, a necessidade de acompanhar as inovações disruptivas”, diz.

Em 2016, o sistema para gestão de RH chegou à nuvem. A Suíte Gen.te oferece games, People Analytics, chatbots e outras ferramentas, que podem ser acessadas em desktops ou dispositivos móveis – inclusive wearables, como o Apple Watch, relógio inteligente da gigante de Cupertino, Estados Unidos. “É um sistema completo e integrado, que melhora muito a experiência de uso”, diz Daniela Mendonça.

A Suíte Gen.te atua em todas as esferas da administração de pessoal. Dividida em seis grandes eixos (Engajar, Evoluir, Remunerar, Cuidar, Aprofundar e Gerenciar), ela automatiza os processos de seleção, análise de competências, segurança do trabalho, orçamento de pessoal, ponto, cargos e salários e folha de pagamento, dentre outros.

Daniela Mendonça explica algumas vantagens de um sistema completamente na nuvem. “Não há necessidade de instalação de programas nem da administração da infraestrutura que, dependendo do porte da empresa, é considerável. Agora é: apenas use”. O usuário paga uma mensalidade e acessa. Para as empresas menores, os projetos são curtos e o treinamento é mais “rápido”. Assim, conforme a presidente da LG lugar de gente, a equipe de Tecnologia da Informação do cliente pode focar exclusividade no negócio da empresa.

Até agora, 70 clientes da LG lugar de gente adotaram Suíte Gen.te – muitos deles, pequenas e médias empresas, que não eram atendidas pelas soluções on-premises (que exige a instalação do software). “O preço fica acessível sem perda da inovação da tecnologia”, diz. Ela explica que algumas empresas ainda não decidiram pela migração das plataformas físicas para a nuvem.

Contudo, ela não tem dúvida de que esse é um caminho natural. “Há uma curva de adoção de novastecnologias. A questão da nuvem não é ‘se’ a empresa vai entrar, mas ‘quando’ vai”, acredita. Para atender a parcela que ainda está no on-premise, o sistema “tradicional”, segue sendo aperfeiçoado. “Com folha de pagamento não se pode brincar. Por isso, continuamos atualizando o software físico para que ele não deixe de ser competitivo”, diz a presidente da LG.

 

EMPRESA COMEÇOU NA REVENDA DE COMPUTADORES

A LG lugar de gente nasceu em 1985 com o nome LG Informática e como revendedorade microcomputadores. Na época, havia uma reserva de mercado e a empresa trabalhava com as marcas Cisco e Itautec. O início na produção de softwares foi com um programa para contabilidade. Era o período das linguagens Basic, Cobol. Na virada para a década de 1990, veio o primeiro grande salto. O Windows começava a chegar ao mercado. “Tivemos acesso a essa tecnologia em primeira mão. Muitos nos chamaram de loucos, mas apostamos na Microsoft”, lembra Daniela Mendonça.

Foi necessário desenvolver um programa na nova linguagem. Nasceu, então, o FPw (Folha de Pagamento Windows). Como poucas empresas adotavam o sistema operacional criado por Bill Gates, além do FPw, a LG tinha de vender o próprio Window – e treinar as equipes que iriam utilizá-los. Um dos primeiros clientes foi a Emegê.

Quando o Bug do Milênio se aproximou, surgiu uma nova oportunidade de crescimento. “Os sistemas não estavam preparados para a virada do século. Mas o FPw já havia sido construído com os quatro dígitos”, conta. Em 2013, a LG recebeu um aporte do private equity H.I.G. Capital.

Estar na vanguarda fez com que a LG crescesse de forma acelerada chegando, em alguns anos, adobrar de tamanho. Durante o processo, houve aquisições (como da w3net e da eguru) e aumento do escopo de atuação. “O mercado também amadureceu. Antigamente, RH era só folha de pagamento. Hoje abrange folha, medicina do trabalho, e-social, gestão de desempenho, etc”, afirma.

A empresa que nasceu como LG Informática se transformou em LG Sistemas e, em 2014, foi realizado o mais novo reposicionamento, surgindo, assim, a LG lugar de gente. Nessa trajetória, o grupo partiu da venda de microcomputadores até chegar a uma empresa focada na gestão de capital humano.


Deixe seu comentário