Bruno, Ronaldo e Rogério inauguram ainda este mês o Saccaria Bueno, que terá o mesmo conceito e perfil da unidade do Jardim Goiás
Bruno, Ronaldo e Rogério inauguram ainda este mês o Saccaria Bueno, que terá o mesmo conceito e perfil da unidade do Jardim Goiás

Outrora um bar sensação no Setor Marista, em Goiânia, o Saccaria se expandiu, virou empório/restaurante com uma unidade de sucesso no Jardim Goiás e irá abrir mais três unidades em Goiânia, nos próximos cinco anos. O segundo empreendimento nesse modelo será inaugurado até o fim de julho. Batizado como Saccaria Bueno, a empresa injetou R$ 5 milhões na loja de 1,6 mil m² no alto do Setor Bueno, na capital.

A nova loja, contam os sócios Rogério Giordani, Bruno Giordani e Ronaldo Reis, trará o mesmo conceito e perfil do empório do Jardim Goiás, que soma quatro anos e uma clientela consolidada no Jardim Goiás, próximo ao Flamboyant Shopping Center. “Queríamos uma espécie de padaria que tem de tudo, onde vendesse até pãozinho”, brincam os irmãos sobre o modelo próprio criado por eles no empório.

Na grande e primeira unidade do empório, designação que eles querem evitar para “desmistificar como coisa de elite”, o cliente encontra desde um caprichado café da manhã no estilo self-service (que atrai a média de 500 pessoas diariamente) até uma pizza feita no forno à lenha.

Restaurante (que serve almoço e jantar à la carte), rotisserie e uma extensa linha de secos e molhados finos completam o portfólio da casa, incluindo hortifrútis, produtos importados e uma adega com cerca de 800 rótulos no subsolo, que abriga também a garagem aos clientes. Com a evolução do negócio, novas guloseimas foram acrescentadas, como uma sorveteria e uma linha de sucos naturais, ambas produções próprias que o cliente consome no local ou leva para casa com a marca Saccaria.

Qualidade

“Programamos ter um modelo de seleção. Trazemos da Ceagesp [central paulista de abastecimento] as melhores frutas, contamos com produtores de hortaliças qualificados, açougue só com carnes nobres e pelo menos duas marcas líderes de cada produto ofertado aqui”, explica Rogério durante entrevista ao EMPREENDER EM GOIÁS.

“E a qualidade é uma obsessão nossa, só de câmaras frias temos 11 aqui, uma para cada segmento de produto que ofertamos. São coisas que valem a pena mantermos porque temos um público que preza e paga por isso”, completa Bruno falando do perfil da casa e da clientela, um encontro que deu certo e animou o trio a investir na nova unidade.

Segundo os irmãos Giordani, o Saccaria Bueno será uma espécie de miniatura da unidade do Jardim Goiás, que tem mais de 3,4 mil m², tudo com o mesmo perfil e qualidade em três andares. Vagas de estacionamento aos clientes serão garantidas num parceria com a vizinhança, adiantam os sócios. A nova unidade fica na confluência das ruas T-65 com T-37. “Única diferença na nova casa será o restaurante no estilo self-service por quilo, já que o público de lá requer esse modelo”, conta Rogério.

Para manter o padrão de qualidade e atendimento da casa, a nova unidade do Saccaria terá 110 novos funcionários, uma equipe afinada que conta com profissionais de diferentes perfis, incluindo engenheiro de alimentos, chefs conhecidos na cidade e pessoal de apoio. “Não terceirizamos nada, toda nossa controladoria e gestão de pessoal é própria”, frisam, creditando mais um diferencial no modelo implementado na empresa. Outros 230 funcionários completam a equipe de pessoal das unidades Saccaria.

Rogério, Bruno e Ronaldo, na unidade do Saccaria do Jardim Goiás: obsessão pela qualidade
Rogério, Bruno e Ronaldo, na unidade do Saccaria do Jardim Goiás: obsessão pela qualidade

Origem

E o bar que deu origem a tudo isso? Vai bem, obrigado, com outro perfil, respondem os irmãos contando um pouco da história do boteco que provocava filas quando foi inaugurado na Rua 139, no Marista. De segundo negócio dos sócios que atuavam em confecção de jeans (os irmãos) e funerária (Ronaldo Reis), o Saccaria virou o principal e hoje consome o tempo integral dos três sócios.

O Saccaria viveu o boom da economia brasileira num polo gastronômico da capital que fazia fama para além do rio Meia Ponte. Nas quadras do Marista havia os bares e restaurantes mais badalados da capital. Os irmãos Giordani e Ronaldo Reis estavam atrás de diversificação de negócios e enxergaram potencial ali.

Investiram boas economias e abriram o bar em 2010. O nome veio de uma sugestão do marketing inspirada nas milenares sacarias de malte de cerveja. Logo virou “point” da moçada da cidade. “Chegamos a manter uma média de 17 mil cervejas vendidas por mês, filas quilométricas. Chegou um dia que fomos para o outro lado da calçada, observamos o movimento e concluímos: não é isso que queremos para o nosso bar”, relembra Rogério.

Novo perfil

Era o start para mudança completa no perfil do bar, hoje um point de família, com reconfiguração completa do cardápio e adoção de uma brinquedoteca. Isso coincidiu com a decadência do chamado quadrilátero gastronômico do Marista, pressionada também com a chegada da crise econômica brasileira, em 2015.

Era também a época em que o trio de sócios tinha acabado de colocar o empório para funcionar no Jardim Goiás. “Acho que foi um somatório de coisas, estávamos iniciando as operações aqui [no Jardim Goiás], teve a crise econômica, teve a mudança no trânsito do Marista, somado à nova Lei Seca, o que mudou muito o comportamento da clientela”, teoriza Bruno.

Vivendo outro momento, os sócios do Saccaria vislumbram um futuro melhor, na expectativa da retomada do crescimento econômico no país. Projetam, no médio ou longo prazo, a abertura de mais duas unidades em Goiânia. Duas unidades apostando no mesmo modelo de negócio que vem dando certo, para “ganhar volume de compras e melhorar a competitividade”, dizem, já que hoje atuam no mesmo setor de empórios que vem ganhando fôlego na capital.


Deixe seu comentário