As metas de José Carlos e Marcelo Baiocchi para a Fecomércio-GO

As metas de José Carlos e Marcelo Baiocchi para a Fecomércio-GO

17 de abril de 2018

Duas chapas irão concorrer à presidência da Federação do Comércio do Estado de Goiás (Fecomércio-GO), nas eleições marcadas para o próximo dia 11 de maio. O empresário José Carlos Palma Ribeiro, vice-presidente da entidade e presidente por dois mandatos do Sindilojas-GO (Sindicato do Comércio Varejista no Estado de Goiás), é o candidato da chapa “Representatividade e Inovação”. Já o empresário Marcelo Baiocchi, também vice-presidente da entidade, presidente do SecoviGoiás, presidente do Sicoob Goiás Central e ex-presidente do Sebrae-GO, é o candidato da chapa “Fecomércio Somos Nós”.

Representantes de 29 Sindicatos filiados à entidade estão aptos a votar. O vencedor será aquele que obter maioria simples e terá a missão de comandar a entidade no período de 2018-2022, em substituição ao atual presidente José Evaristo dos Santos. A posse está marcada para 18 de junho próximo.

Em entrevista ao EMPREENDER GOIÁS, os dois candidatos a presidente contam as razões que os levaram a concorrer às eleições e quais as principais metas à frente da Fecomércio-GO, que também é responsável pela administração, em âmbito estadual, do Serviço Social do Comércio (Sesc) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).

José Carlos Palma Ribeiro

Por que o senhor quer ser candidato ao cargo de presidente da Fecomércio-GO?

Por causa do empresário. Os sindicatos que estão ao meu lado reúnem mais de 70% das empresas representadas pela Fecomércio-GO. Estive à frente do Sindilojas-GO por dois mandatos e já ocupei vários outros cargos em defesa do empresário nos últimos 15 anos. Eu e o grupo que me apoia sabemos bem quais são as necessidades do comércio goiano. Para nós, está muito claro que a presidência da Federação precisa continuar sendo ocupada por pessoas ligadas ao segmento. Há muito trabalho a ser feito e não temos espaço para interesses conflitantes que coloquem em risco a imagem do empresário de bem que a Fecomércio-GO representa.

 

Se eleito, quais são suas três principais metas à frente da Fecomércio-GO?

O principal objetivo do meu mandato, definido em conjunto com o grupo que me apoia, é resgatar a imagem do empresário. Diferente do que acontece em países desenvolvidos, o empreendedor é tão denegrido que não enxerga a importância e o peso que ele tem na sociedade. Esse resgate passa por uma comunicação mais eficaz.

Outra meta do nosso programa de gestão é garantir a estabilidade financeira dos sindicatos que integram a Fecomércio-GO. Vamos pagar as contas deles? Não. Mas iremos estudar um plano de recuperação para os sindicatos que verdadeiramente são da categoria do comércio. Por que isso é importante? Sindicatos fortes e atuantes só existem se os dirigentes tiverem autonomia financeira. E isso se interliga com o nosso primeiro objetivo de gestão que é melhorar a imagem do empresariado.

Por último, vamos dar subsídio e apoio ao empreendedor. Está em nosso programa a criação do Instituto de Pesquisa Merc que vai oferecer dados consistentes para quem deseja entender o comportamento do comércio goiano. Este instituto também será responsável por fazer a ponte entre empresas, escolas e universidades. Será criado também o Sesp (Serviço Social Patronal). O foco será o desenvolvimento econômico, a prestação de serviços e o oferecimento de atividades de lazer.

 

Marcelo Baiocchi

Por que o senhor quer ser candidato ao cargo de presidente da Fecomércio-GO?

Quero ser presidente da nossa Fecomércio porque entendo que o sindicalismo mudou. Com a reforma trabalhista precisaremos reforçar os produtos e serviços de nossos sindicatos. Temos de ampará-los nesse momento de transição. Aprendi muito como 1º vice-presidente da Federação e me sinto preparado. Tenho experiência de ter dirigido um órgão do Sistema S, o Sebrae. Como presidente do SecoviGoiás, saí de uma sede de 60 m2 para 4600 m2 , de 2 funcionários para 70, de 50 mil reais/ano para 8 milhões de reais/ano. Ainda tenho experiência de dirigir uma cooperativa de crédito, além de ser proprietário de empresas em diversos segmentos. Mas o projeto da chapa Fecomércio Somos Nós não é meu. É da maioria dos sindicatos da Federação e demorou três anos para ser construído, sempre ouvindo a todos e agregando ideias.

 

Se eleito, quais são suas três principais metas à frente da Fecomércio-GO?

Nosso primeiro ato será a criação do FAS, o Fundo de Amparo aos Sindicatos. Vamos elaborar de forma rápida e eficiente um plano de gestão, crescimento e autossustentação dos sindicatos para que eles ofereçam mais e melhores produtos e serviços, o que, em última instância beneficiará a todo o Estado.

Também construiremos a SCS, ou Sede Central dos Sindicatos. Ela abrigará a estrutura de cada sindicato que necessite. Todos terão acesso a ambientes de usos comuns, como salas de reunião, auditórios para eventos, etc. Com isso otimizaremos os custos e criaremos o programa Mais Ganhos, compartilhando as assessorias jurídica, de comunicação, marketing, secretaria, telefonia, TI, administrativo e outros.

Fortaleceremos os sindicatos do interior. Criaremos o SescMed, o serviço de saúde ocupacional do Sesc, destinado a assessorar as empresas na promoção da saúde e do bem-estar de seus colaboradores. Com o programa Senac Empresarial aproximaremos o Senac das empresas via os nossos sindicatos. Faremos ações conjuntas de educação profissional que visem o empreendedorismo e a modernização do comércio.

O portal Empreender em Goiás é uma iniciativa privada com a missão de incentivar a abertura e o crescimento de empresas. Contamos com os melhores parceiros para gerarmos notícias, análises, pesquisas, serviços e oportunidades de negócios.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não será publicado.

One thought on “As metas de José Carlos e Marcelo Baiocchi para a Fecomércio-GO”

  1. Avatar sibele disse:

    Gostei da visão e metas do Marcelo Baiocchi, espero que os projetos não fiquem somente no papel, e que surjam novas idéias para o bem geral.