Vantagens e riscos do desconto para pagamento em dinheiro

Vantagens e riscos do desconto para pagamento em dinheiro

28 de junho de 2017

A lei sancionada pelo presidente Michel Temer que autoriza as empresas praticarem preços diferenciados para pagamentos em dinheiro deve aumentar as vendas à vista de 5% a 10% no comércio goiano, dependendo do segmento econômico. Já o consumidor terá descontos de 2% a 5% se pagar em espécie. A previsão feita ao EMPREENDER EM GOIÁS é da Fecomércio e do Sindilojas.

“É melhor o consumidor se beneficiar deste desconto do que esperar meses para ter este rendimento na poupança”, afirma José Carlos Ribeiro, presidente do Sindilojas. O empresário critica, porém, a obrigatoriedade do comerciante ter de informar, em local visível ao consumidor, os descontos oferecidos em função do meio e do prazo de pagamento, o que pode causar problemas de interpretação.

Outra vantagem para os comerciantes, diz o presidente da Fecomércio, José Evaristo dos Santos, é que poderão realizar promoções com maior segurança jurídica sem se preocuparem com a diferença entre os preços à vista ou no cartão, além de aumentar o capital de giro com o recebimento em espécie e redução da inadimplência.

As duas entidades esperam que a mudança provoque maior concorrência (e redução de preços) entre as operadoras de cartão de crédito, que atualmente cobram taxa de 2% a 7%, sem incluir o custo do aluguel das máquinas e do prazo para receber da operadora.

Dinheiro x cartão

Mas o empresário precisa tomar cuidados antes de focar suas vendas para pagamento em dinheiro, oferecendo maiores descontos nos preços de seus produtos ou serviços. A primeira dica é saber o quanto os custos com o cartão pesam no preço final ao consumidor, considerando taxas e juros por antecipação de recebíveis. Isto fará saber o porcentual de desconto que pode ser oferecido sem gerar uma venda com prejuízos.

O cartão de crédito e débito também oferecem outras vantagens como facilitar as vendas ao consumidor com parcelamento, zerar o risco de calote quando a compra é paga com cheques ou duplicatas, maior controle do caixa (as vendas por cartão têm data certa para entrar na conta e as operadoras ainda enviam relatórios) e, não pode ser descartado, aumento da segurança na empresa com o menor volume de dinheiro no caixa.

Wanderley de Faria é jornalista especializado em Economia e Negócios, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA/FEA/USP - BM&FBovespa

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não será publicado.