A produção industrial goiana cresceu 13,9% em maio passado em comparação com maio de 2018, registrando o quarto melhor desempenho dentre as localidades pesquisadas no país. Além disso, registrou o melhor resultado da indústria goiana nessa base de comparação desde novembro de 2017 e o maior crescimento para o mês de maio desde 2012, quando a variação alcançou 17,6%.

As informações são da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física Regional, divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O órgão destacou que esse avanço foi influenciado pelo efeito-calendário (maio de 2019 teve um dia útil a mais do que igual mês do ano anterior) e pela baixa base de comparação – maio de 2018, quando a atividade industrial havia recuado em todo o País, refletindo os efeitos da paralisação dos caminhoneiros. Já a indústria nacional também avançou 7,1% na mesma base de comparação, sendo o melhor resultado desde abril de 2018.

Em consequência desses avanços, a indústria goiana teve um acumulado de 3,2% até maio de 2019. Contudo, quando analisado o acumulado nos últimos 12 meses, a indústria goiana mostra uma retração de 2,5% Em relação a abril de 2019, a produção industrial goiana em maio de 2019 avançou 1,6%, na série com ajustes sazonais. O terceiro melhor desempenho dentre as localidades pesquisadas no país.

Fabricação de cimento também puxou para cima a produção da indústria goiana em maio, de acordo com o IBGE

Segmentos

Em maio no Estado de Goiás, 7 das 9 atividades industriais tiveram crescimento. A indústria de transformação puxou as principais variações positivas, com destaque para os setores de fabricação de outros produtos químicos (65,7%), que compreendem a fabricação de adubos ou fertilizantes; de fabricação de produtos de minerais não-metálicos (22,2%), que envolvem fabricação de cimento, misturas betuminosas, massa de concreto, chapas, painéis, telhas e etc; e de fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias (21,1%).

Os produtos que mais influenciaram para o resultado em cada setor foram adubos ou fertilizantes com fósforo e potássio, cimentos “Portland” e automóveis com motor a gasolina, álcool ou bicombustível respectivamente. Além disso, a indústria goiana de produtos alimentícios, que apresenta maior peso no crescimento da indústria geral no Estado, cresceu 16,2% em maio, quarto resultado positivo no ano, acumulando alta de 6,0% em 2019.

Indústria de transformação puxou as principais variações positivas, com destaque para a fabricação de fertilizantes

Queda

As únicas variações negativas na indústria goiana foram nos setores de fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos (-23,2%) e na indústria extrativa (-14,2%), influenciado, em grande parte, pela menor produção de esquadrias de alumínio na primeira e de fosfatos de cálcio naturais, fosfatos aluminocálcicos e cré fosfatado, na segunda. A indústria extrativa goiana apresentou queda em todos os meses de 2019, acumulando recuo de 13,9% no ano.


Deixe seu comentário