Secretário-executivo do CDE/FCO, Agmar Ribeiro dos Santos (com microfone), anuncia o aumento do porcentual dos recursos do FCO para Goiás

Em 2019, os empreendedores goianos contarão com mais recursos do Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO) para bancar seus projetos nas áreas empresarial e rural, inclusive de agricultura familiar. O porcentual do total dos recursos destinados ao Estado que hoje é de 29% subirá para 33% o que poderá significar alguns milhões a mais para fomentar a economia goiana. A previsão do orçamento do Fundo para o próximo ano é de R$ 9,42 bilhões, mas poderá ser maior de acordo com o crescimento da arrecadação do Imposto de Renda, do Imposto sobre Produtos Industrializados e do retorno das operações já contratadas.

Este ano, o orçamento total do FCO para os três Estados (Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul) e mais o Distrito Federal é de R$ 7,4 bilhões. Goiás ficou com R$ 2,3 bilhões, que já foram todos aplicados, e já recebeu mais R$ 1,3 bilhão, do remanejamento das verbas não utilizadas pelos outros Estados.

O anúncio do aumento do porcentual dos recursos do Fundo do Centro-Oeste para Goiás foi feito pelo secretário-executivo do Conselho de Desenvolvimento do Estado de Goiás (CDE/FCO), Agmar Ribeiro dos Santos, após participar da reunião do comitê técnico do Conselho Deliberativo do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Condel/Sudeco), realizada em Brasília.

A nova redistribuição dos porcentuais dos recursos do FCO para o próximo ano também beneficiou os Estados do Mato Grosso que passou de 29% para 33% e do Mato Grosso do Sul, de 23% para 24%. Já o Distrito Federal terá o porcentual do seu repasse reduzido de 19% para 10%. A nova reprogramação da distribuição dos recursos do FCO será homologada na reunião ordinária do Condel/Sudeco, no próximo dia 5 de dezembro, em Brasília que terá a presença do ministro da Integração Nacional, Antônio de Pádua, e dos governadores da Região, entre eles o de Goiás, José Eliton e o secretário de Desenvolvimento, Tito do Amaral.

Diretor financeiro da SJC Bioenergia, Roberto Morais: “Com os recursos do FCO, vamos expandir os canaviais aumentar em 25% a produção de açúcar, etanol e de bioenergia

Novos projetos

Em reunião realizada nesta quinta-feira (22/11), em Goiânia, o Conselho de Desenvolvimento do Estado de Goiás, presidido pelo secretário estadual de Desenvolvimento, Tito Amaral, aprovou mais R$ 183,37 milhões do Fundo Constitucional do Centro-Oeste (FCO) para empresários goianos. Os investimentos devem gerar 410 empregos diretos no Estado.

Ao todo, 28 cartas-consulta foram aprovadas, três para o FCO Empresarial, com valor total de R$ 4,37 milhões, e 25 na modalidade FCO Rural, com R$ 179 milhões. A maior delas, de R$ 91,67 milhões, foi liberada para a empresa SJC Bioenergia, para implantação de 13.645 hectares de canaviais em Quirinópolis, com geração de 300 empregos diretos. O diretor financeiro da empresa, Roberto Morais, conta que com estes recursos do Fundo a empresa vai expandir seus canaviais e, automaticamente, aumentar em 25% a produção de açúcar, de etanol e de bioenergia.

Os investimentos aprovados pelo FCO serão feitos nos municípios de Inaciolândia, Morrinhos, Serranópolis, Rio Verde, São Miguel do Araguaia, Turvelândia, Piracanjuba, Itaberaí, Porteirão, Catalão, Nova Crixás, Jussara, Itumbiara, Campo Alegre de Goiás, Urutaí, Arenópolis, Cachoeira Alta, Santa Helena de Goiás, Quirinópolis, Ceres e Jataí.

Pedidos

Os empresários interessados em pleitear recursos do FCO devem se dirigir a qualquer agência do Banco do Brasil, Sicoob Cred e Goiás Fomento. O valor máximo do financiamento é de R$ 400 milhões. O superintendente Regional do Banco do Brasil, Marco Antônio, observa que, embora no momento os recursos estejam esgotados, Goiás ainda poderá receber mais verbas nos próximos dias, de remanejamento de sobras dos outros Estados e do DF.

Levantamento do Banco do Brasil mostra que todos os 246 municípios goianos já receberam recursos do FCO este ano. Ao todo, foram aprovadas 5.529 propostas para o setor rural, 7.956 para a agricultura familiar e 1.554 projetos industriais. O desembolso total chega a R$ 3,29 bilhões.

Do total dos recursos, 88,04% foram liberados para os micros, pequenos e médios empresários, o que mostra a pulverização dos recursos e que o crédito está acessível a todos, ressalta o gerente de Negócios Agro do BB, Rodrigo Roberto dos Santos.


Deixe seu comentário