André Haueisen e Dolor Lima Júnior (filho e pai) comandam a Beijo Frio, que produz 60 sabores de sorvetes, tem cinco unidades e oferece serviço de delivery

A sorveteria Beijo Frio comemora 50 anos de funcionamento no mesmo endereço em Goiânia. Com sua primeira unidade aberta em 1968 na Avenida 84, no Setor Sul, a empresa conta atualmente com cinco unidades, além de outras quatro para breve inauguração em regime de franquia. O investimento na abertura de novas lojas contribuiu para o crescimento de 60% nos últimos três anos. E a festa tem sabor de fartura, com produção de 60 sabores de sorvete.

“A receita do sucesso é inovar”, afirma Dolor Lima Júnior, sócio da sorveteria. Engenheiro agrônomo, o empresário aprimora os conhecimentos em feiras de alimentos em São Paulo. É ele quem desenvolve e cria os sabores.

Há dois anos, Júnior abriu uma segunda loja, no Jardim Goiás. Em 2017, investiu na compra de um caminhão baú para transporte da mercadoria a outros mercados. “Nossa maior preocupação é vender qualidade. Temos produção própria do leite em fazenda da família. A fonte de gordura é um creme de leite natural. Somos uma das únicas indústrias com esse tipo de produção”, ressalta Júnior.

Fachada da sorveteria Beijo Frio na Rua 84, Setor Sul: a primeira a ser aberta em Goiânia, em 1968. Em um dia mais movimentado chega a atender 2 mil pessoas

Origem

A história da mais tradicional sorveteria de Goiânia teve origem com o uruguaio Omar Rodolfo Rinaldi, cujo avô fundou uma fábrica de sorvetes em Punta del Este, em 1949. Em viagem pelo Rio de Janeiro, em 1967, Omar conheceu a goiana Hilza Alves de Castro, com quem se casou seis meses depois. Vivendo no Uruguai, mas com saudades de Goiás, Hilza propôs ao marido que se mudassem para Goiânia. Omar concordou e decidiu abrir a primeira sorveteria Beijo Frio, aproveitando o know how de 25 anos da família dele.

A Beijo Frio se tornou e se manteve como referência no segmento em Goiânia. Há 32 anos, o empresário Dolor Júnior, sobrinho de Omar, assumiu o comando da marca. “Entrei no ramo pela oportunidade de negócio e gostei”, conta. Há quatro anos, Júnior tem como sócio seu filho André Haueisen. “Ele é da terceira geração da família no comando da sorveteria e deve assumir a empresa no futuro”, revela.

Interior da loja da Beijo Frio em Caldas Novas. Além dela, a marca tem unidades em Rio Verde e Palmas. Em breve, chegará em Brasília, Anápolis e Jataí

Rumo ao interior

O negócio cresceu e hoje são cinco sorveterias, duas próprias e três franquias. A pioneira foi revitalizada e se mantém no mesmo endereço, com capacidade para 123 lugares. Uma segunda sorveteria foi aberta há dois anos, na Rua 59, no Jardim Goiás, com 70 lugares. As duas lojas empregam 32 funcionários. E, em 2017, três franqueados levaram a marca para Rio Verde, Caldas Novas e Palmas. “Meu projeto é manter as duas lojas e abrir novas franquias. Já estamos acertando duas sorveterias em Brasília, uma em Anápolis e outra em Jataí”, anuncia Dolor Júnior.

Há sete anos, a loja da Avenida 84 funciona por 24 horas diariamente, uma novidade no Brasil no segmento de sorveterias. Além dos pontos de vendas, a marca tem também sistema de delivery. A fábrica produz 60 sabores de sorvetes. O Sonho de Valsa é o mais famoso. Há três anos, o sabor Ninho também conquista os clientes.

Um dos atrativos lançados, o sanduíche de sorvete, feito com o gelado em tablete prensado entre duas bolachas waffle, acompanha a história da marca nesses 50 anos e ainda é um dos carros-chefes, assim como o banana split, o sundae e o colegial. “Preservamos a tradição, nunca mudamos a linha de produtos, mas estamos sempre inovando. Lançamos há três meses o bombom de sorvete”, afirma Júnior.

Banana Split é um dos carros-chefes da sorveteria Beijo Frio, ao lado do sanduíche de sorvete, sundae e do colegial

Reforço no inverno

“O goiano gosta de sorvete. Mas nos dias de calor o movimento é bem maior, há um incremento de 60% nas vendas. Não temos a mesma noção de europeus e americanos de que o sorvete é uma fonte de alimento. Aqui é mais consumido como refrescante”, avalia o empresário, ao informar que em um dia mais movimentado a loja atende 2 mil pessoas.

Segundo ele, com o lançamento das linhas funcionais há um crescimento no mercado, independentemente da época do ano. Ele se refere aos produtos com zero lactose e zero açúcar, que estão sendo produzidos há seis anos. Somente de zero lactose são seis sabores de sorvete.

As sorveterias servem ainda sanduíches e sucos. “Introduzimos há mais de 20 anos esses itens que são de uma linha cujas vendas não caem entre maio e julho”, explica.


Deixe seu comentário