O Grupo Jean Darrot tem atualmente 21 lojas que vendem no varejo e atacado

O sucesso no mundo empresarial é o resultado da persistência, da inovação constante, da manutenção da qualidade com a garantia do preço justo, da diversificação dos produtos oferecidos ao mercado, e sobretudo, do bom atendimento ao cliente. Esta é a receita que deu certo para a Jean Darrot Jeans, uma das empresas pioneiras em Goiás, criada em 1984 com o boom das confecções em Goiás, quando surgiram mais de 3 mil indústrias do setor, das quais poucas sobreviveram.

O pequeno negócio que surgiu dentro da casa de seus fundadores Jânio Darrot e Daírdes Freire, em Trindade, começou com a produção de roupas infantis de malha com a marca Bicota, no início da década de 80. Daírdes fabricava as peças e o seu marido, Jânio, vendia por todo o Estado. Mas, vislumbrando a popularização da moda jeans em todo o mundo, os empresários não tiveram dúvidas e em 1987 mudaram toda a linha de produção para o jeans, com vendas apenas no atacado.

Já nos fins da década de 80, com o aumento e a diversificação da produção, a Jean Darrot abriu a sua primeira loja de varejo em Trindade, vendendo além das tradicionais calças jeans, bermudas e blusas. Em outubro de 1990, a empresa abriu duas lojas de atacado em Goiânia, nas Avenidas 85 e T-9, no Setor Marista, que depois passaram também a vender no varejo – e continuam no mesmo ponto até hoje.

A empresa tem hoje 21 lojas que vendem no varejo e atacado em Goiânia (12), Trindade (2), Aparecida de Goiânia (2), Itaberaí (1), Anápolis (2), Alexânia (1) e outra em Palmas, no Tocantins. Mas Jean Darrot está presente também em outros Estados, através de vendedoras, as chamadas sacoleiras, em todo o interior de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia e até nos Estados Unidos. Atualmente, 55% das vendas da empresa são no varejo e 45% no atacado.

Diretora-executiva da Jean Darrot, Lorena Costa Lima, formada em direito e que trabalha na empresa desde os 21 anos de idade, diz ao EMPREENDER EM GOIÁS que a decisão de seus pais Jânio e Daírdes de partirem para o varejo e diversificar a produção para jeans e modinha foi acertada. “É o varejo que dá reconhecimento à marca e nos ajudou a criar uma identidade própria dos nossos produtos”, frisa.

Lorena Costa: “É o varejo que dá reconhecimento à marca”

Modelo
Vender no atacado e no varejo no mesmo ponto foi o modelo de negócio adotado pela Jean Darrot há 15 anos. E o sucesso foi tanto que atualmente a empresa produz, em sua fábrica em Trindade, onde tem também a lavandeira com máquinas modernas, inclusive a laser, cerca de 450 mil peças por ano, sendo que as peças em jeans representam 70% da produção e os 30% restantes são roupas contemporâneas, de padrão internacional, muitas com estampas exclusivas. São calças estilo alfaiataria, blusas e camisas em malhas para homens e mulheres, de todas as idades, além de vestidos e outras peças tipo modinha, de tecidos diversificados.

Embora a produção seja na fábrica localizada em Trindade, que ocupa mais de 2,5 mil metros quadros, tudo sob a supervisão de Daírdes Freire, a linha de criação está em Goiânia, bem como parte da administração, marketing e comercialização sob os cuidados de Lorena. Jânio Darrot, embora esteja se dedicando à política – é prefeito de Trindade pela segunda vez –, também fica de olho na administração da empresa, que oferece 500 empregos diretos.

A fábrica da Jean Darrot, bem como a lavandeira própria, que também fica em Trindade e ocupa uma área de cerca de 600 metros quadros, estão equipadas com modernas máquinas high tech, produzidas no Brasil e outras importadas do Japão (uma máquina de bordar), da Espanha (que usa um software CAD para modelar as roupas e simular ações) e outras máquinas a laser, da Alemanha, usadas para trabalhar imagens e fazer cortes nos tecidos.

As metas para o início de 2018 da Jean Darrot são de inaugurar, na capital (Setor Jardim América), prédio próprio de três andares para a parte da criação das roupas e a administração da empresa e aumentar em 20% as vendas no varejo e no atacado, sem ampliar o número de lojas. Além disso, expandir o comércio nas redes sociais.

Lorena Costa Freire acredita que a crise econômico-financeira que abalou o Brasil, nos últimos anos, já ficou para trás. “Estamos apostando no futuro. Acreditamos em nossa marca e queremos nos consolidar ainda mais no mercado”, destaca. Ela diz, contudo, que o interesse da Jean Darrot não é só produzir e vender, mas produzir com qualidade e garantir o bom custo-benefício dos produtos para fidelizar e conquistar novos clientes.


Deixe seu comentário