Fernando Maia: “Costumo brincar que só troquei de varejo, o de veículos pelo de centros de compra”

 

O Grupo Saga, criado há 45 anos em Goiânia, é muito conhecido por sua atuação no mercado de automóveis. Mas tem negócios em outras áreas e uma delas, a do varejo de shopping centers, com o braço Saga Malls, empresa criada em 2013 a partir da experiência do engenheiro civil Fernando Maia na extinta MB Engenharia (adquirida pela Brascan e, depois, pelo grupo canadense Brookfield Incorporação). “Eu costumo brincar que só troquei de varejo. Deixei o de carros para ir para o de centros de compra. Naturalmente o segundo tem outro volume de investimentos e tempo de maturação, diferente do giro rápido da venda de veículos”, afirma o presidente da Saga Malls, ao EMPREENDER EM GOIÁS.

O engenheiro e empresário Fernando Maia já vinha de experiências de construção de shoppings. Em 2003, construiu seu primeiro grande centro de compras: o Goiânia Shopping. Em seguida, foram construídos o Araguaia Shopping (também em Goiânia), o Pantanal Shopping (Cuiabá), o Shopping Sul (Valparaíso de Goiás) e a Estação Goiânia. Desde que criada, a Saga Malls já ergueu nove shoppings no Centro-Oeste e prepara mais dois grandes projetos, um deles no Rio de Janeiro, em parceria com a gigante japonesa Mitsui.

Fernando Maia é presidente do Conselho do Grupo Saga. Seu irmão Sérgio Maia é o CEO e o primo Evandro Maia é vice-presidente corporativo do Grupo Saga, os dois comandam a área de veículos, que comercializa 20 marcas de automóveis e motos em 87 concessionárias em Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Rondônia, Maranhão e Minas Gerais. O grupo goiano vende cerca de 300 veículos por dia e opera também com consórcios e seguros. É um dos três maiores distribuidores de veículos do País: de cada 100 veículos emplacados em Goiás, 30 saem de suas lojas. A Saga Motors prevê fechar 2017 com a venda de cerca de 76 mil veículos.

Crescimento
Formalizada, a Saga Malls já construiu os Shoppings Aparecida, DF Plaza (Águas Claras) e Várzea Grande (Mato Grosso). Segue em construção o América Shopping (na rodovia GO-060, entre Goiânia e Trindade) e tem projetos em desenvolvimento para o Sobradinho Shopping (Entorno do Distrito Federal) e o Central do Brasil, um complexo de lojas que será erguido integrado à histórica estação de trens da capital do Rio de Janeiro.

A empresa planeja, constrói, vende e gere os empreendimentos. Injeta de R$ 200 milhões a R$ 300 milhões em cada centro de compras, sempre contando com parceiros investidores. Fernando Maia conta que os projetos da Saga Malls seguem uma estratégia parecida com a da Saga Veículos, a de se instalar em regiões prósperas pelo agronegócio. “Até por uma questão de know how nosso, de conhecer bem esses mercados, o perfil do consumidor nessas regiões, enfim. O único que está saindo desse roteiro é o Central do Brasil, que se apresentou para nós como uma boa oportunidade e um bom desafio também”, diz.

Mas o grupo goiano está acostumado a desafios. Fernando Maia e sua equipe já lidaram, com sucesso, com a construção do Shopping Araguaia, montado dentro da rodoviária de Goiânia. A diferença para o shopping do Rio de Janeiro não será pequena, já que lá o projeto envolve integração do futuro centro de compras com vários modais de transporte público num mesmo local. Pela Central do Brasil, passam trens, metrô, ônibus, além de bonde e VLT. O fluxo médio diário é de aproximadamente 1 milhão de pessoas. A Central do Brasil, que é administrada sob concessão pela Supervia, demandará cerca de R$ 350 milhões em investimentos, com início previsto para 2019.

 

Amplo mercado
O Saga Malls tem crescido rápido e seus projetos contam com lastro em experiência técnica e expertise de gestão. Ciente da necessidade reforço em governança corporativa, os irmãos Maia convidaram para integrar o board do Grupo Saga o economista Gustavo Loyola, da consultoria Tendências, que funciona como uma espécie de fiscal independente e conselheiro de gestão para reforçar a boa imagem corporativa do grupo goiano.

O negócio de construção e administração de shoppings no Brasil está longe da concentração. Seis das maiores empresas do ramo só abocanham cerca de 24% do mercado de ABL (Área Bruta Locável). Fernando Maia evita revelar os números da Saga Malls, mas os projetos já consolidados e em desenvolvimento mostram o poder regional que a empresa já conquistou. São cerca de 100 mil metros quadrados de ABL já entregues e outros 75 mil metros quadrados em planejamento.

Perguntado se já foi sondado por grandes grupos, como fora na sua antiga MB Engenharia, responde que não, mas dá uma dica. “Uma máxima nesse mercado é quanto mais você cresce, mais estrangeiros te namoram, porque o que interessa nesse setor é volume, do ponto de vista de unidades e ABL”, diz Fernando Maia, membro do conselho da Associação Brasileira de Shopping Center (Abrasce) e recentemente foi eleito “Empresário do Ano” pela CDL Goiânia. Por ora, o empresário goiano não parece interessado em namorar, muito menos em se casar.


Deixe seu comentário

1 comment

  1. Vera Lúcia Lemos Maia Responder

    Fernando Maia , além de ser um grande empresário,valoriza e respeita o ser humano . Não só ele como todos do grupo SAGA agem com muita ética. Sempre falo : esses valores vieram da família Maia.